AS RACIONALIDADES SUBSTANTIVA E INSTRUMENTAL NA PRÁTICA ORGANIZACIONAL: um olhar sobre Guerreiro Ramos e os estudos organizacionais

Lucas Tadeu Cerri, Carolina Machado Saraiva de Albuquerque Maranhão, Jussara Jéssica Pereira

Resumo


Este trabalho de cunho qualitativo se propôs compreender como se entrelaçam as racionalidades substantiva e instrumental no cotidiano dos gestores de primeira linha de uma multinacional e alguns funcionários de alto escalão de um órgão público na região do quadrilátero ferrífero em Minas Gerais. A coleta de dados ocorreu por meio da entrevista semiestruturada, que foram gravadas, transcritas e posteriormente analisadas via Análise de Conteúdo de Bardin (2006). A base teórica que fomentou as análises foram os trabalhos de Guerreiro Ramos (1981) e Maurício Serva (1996). Diante disso foi possível identificar 11 rubricas previstas por Serva (1996), entendidas nas análises como unidades de sentido; estas foram classificadas por proporção conforme sua aparição nos relatos; são elas: valores e objetivos, satisfação individual, reflexão, controle, tomada de decisão, divisão do trabalho, hierarquia e normas, conflito, ação social, relações interpessoais e dimensão simbólica. A presença da racionalidade instrumental ainda é latente no cotidiano analisado, sendo necessária alguma evolução para que esse modelo reificado do ser humano se altere. Todavia, tal pesquisa se mostra relevante, pois permitiu verificar uma manifestação considerável da racionalidade substantiva em um ambiente supostamente instrumental.

 

This qualitative study was proposed to understand how the substantive and instrumental rationalities are interwoven in the daily life of first-line managers of a multinational and some high-ranking officials from a public agency in the iron quadrilateral region of Minas Gerais. The data were collected through semi-structured interviews, which were recorded, transcribed and analyzed through Bardin Content Analysis (2006). A theoretical basis that fostered as analyzes were the works of Guerreiro Ramos (1981) and Maurício Serva (1996). Thus, it was possible to identify 11 items predicted by Serva (1996), understood in the analyzes as units of meaning; These were classified by proportion according to their appearance in the reports; are they: values and objectives, individual satisfaction, reflection, control, decision making, division of labor, hierarchy and norms, conflict, social action, interpersonal relations and symbolic dimension. The presence of instrumental rationality is still latent in the daily analyzed, and some evolution is necessary for this reified model of the human being to change. However, such research is relevant because it has allowed us to verify a considerable manifestation of substantive rationality in a supposedly instrumental environment.


Palavras-chave


Racionalidade Instrumental; Racionalidade Substantiva; Gestores. Emancipação Humana; Capacidade de Reflexão

Texto completo:

PDF

Referências


AKTOUF, O. Méthodologie des sciences sociales et approche qualitative des organisations, Sainte-Foy: Presses de l’Université du Québec, 1992. Disponível em: http://classiques.uqac.ca/contemporains/Aktouf_omar/metho_sc_soc_organisations/metho_sc_soc_organisations.pdf. Acesso em 04/02/2016.

ALMEIDA, M. A. Empresas de economia de comunhão: possibilidade de valorização da racionalidade substantiva na organização econômica? Rio de Janeiro: PUC/RJ, 2002.

AZEVÊDO, Ariston. Trajetória intelectual de Guerreiro Ramos. Revista de Administração do Cesusc, v. 2, p. 119-124, 2008.

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo (L. de A. Rego & A. Pinheiro, Trads.). Lisboa: Edições 70.

CAITANO, D. O. A racionalidade substantiva na gestão organizacional: contribuição para consolidação de um campo de estudos. 2010. Dissertação. (Mestrado em Administração). Universidade Federal de Santa Catariana. Florianópolis.

FARIA J.H. de; MENEGHETTI, F.K. O sequestro da subjetividade e as novas formas de controle psicológico no trabalho. In: FARIA, J.H. de (organizador). Análise crítica das teorias e práticas organizacionais. São Paulo: Atlas, 2007.

FRAGA, M. L. A Empresa Produtiva e a Racionalidade Substantiva: A Teoria da Ação Comunicativa de Jürgen Habermas no Ambiente Organizacional integrativo: De Mary Parker Follett a Collins e Porras. 2000. Dissertação (Mestrado em Administração). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

MARANHÃO, Carolina Machado Saraiva de Albuquerque; PAULA, A. P. P. História e Projetos da Pedagogia Crítica: Trilhando um Caminho para o Ensino em Administração. Gestão.Org, v. 9, p. 438-460, 2012.

MATTA, W. S. Pesquisa da racionalidade no Sistema Unimed da Bahia. 1998. Dissertação (Mestrado em Administração). Universidade Federal da Bahia. Salvador.

PAES DE PAULA, A. P. Guerreiro Ramos: Resgatando o Pensamento de um Sociólogo Crítico das Organizações. Organizações & Sociedade. Salvador, v.14, p.169-188, 2007.

RAMOS, A. G. A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1981.

______, A. G. Ascensão do homem parentético. Revista de Administração Pública, da Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, vol. 18, n. 2, pp. 3-12, abril/junho de 1984.

______, A. G. Mito e verdade da revolução brasileira. Rio de Janeiro: Zahares Editores, 1963.

______, M. F. Racionalidade nas organizações do terceiro setor: tensões e implicações para a avaliação de programas sociais. Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

______, A. G. Modelos de homem e a teoria administrativa. Série Monográfica: Caderno de Ciências Sociais Aplicadas, Mestrado em Administração/PUC-PR, dez. 2001.

______, A. G. Uma introdução ao histórico da organização racional do trabalho. Brasília: Conselho Federal de Administração, 2008.

REGATIERI, Thaís L.; MORAES, Rafaela M. de; JOST, Rossana C. F.; SOBOLL, L. A. P.; FARIA, J. H. de. Sequestro da Subjetividade e o Programa de Trainee nas Melhores Empresas para se Trabalhar. In: Anais do XXXVI ENANPAD. Rio de Janeiro, 2012.

SENNETT, R. A corrosão do caráter: as conseqüências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Tradução: Marcos Santarrita. 4. ed. Rio de Janeiro: Record, 2000.

SERVA, Maurício. Racionalidade Substantiva nas organizações: Consolidação de um modelo metodológico de pesquisa teórico-empírica. In: Anais do XXXVI ENANPAD. Rio de Janeiro, 2012.

______, Maurício. A racionalidade substantiva demonstrada na prática administrativa. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 37, n. 2, p. 18-30, 1997.

______, Maurício. O Fenômeno das Organizações Substantivas. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 33, n.2, p. 36-46, 1993.

______, Maurício; DIAS, Taisa; ALPERSTEDT, Graziela. O paradigma da complexidade e a teoria das organizações: uma reflexão epistemológica. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 50, p. 276-287, 2010.

______, Maurício. Racionalidade e organizações: o fenômeno das organizações substantivas. 1996. Tese (Doutorado em Administração). EAESP/FGV. São Paulo.

SILVA, Franklin Leopoldo. O Imperativo Ético de Sartre. In: ADAUTO, Novaes. O Silêncio dos Intelectuais. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

TENÓRIO, Fernando G. O Drama de ser Dois: um sociólogo engravatado. Organizações & Sociedade. Salvador, v. 17, p. 29-46, 2010.

VASCONCELOS, Flávio. Racionalidade, ética e organizações - uma visão analítica in: Anais do XVII ENANPAD. Salvador, v. 9, 1993.

WIGGERSHAUS, Rolf. A Escola de Frankfurt: História, desenvolvimento teórico, significação política. DIFEL: Rio de Janeiro. 2002.




DOI: https://doi.org/10.28950/1981-223x_revistafocoadm/2017.v10i2.325

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais

e-ISSN: 1981-223x 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.