LEAN OFFICE E AS CINCO LEIS DA BIBLIOTECONOMIA: possibilidades para gestão de bibliotecas

Moisés da Silva Cabete, Nadja Polyana Felizola Cabete, Daniel Reis Armond de Melo

Resumo


O objetivo deste artigo é discutir o alinhamento entre o lean office e as cinco leis da biblioteconomia na perspectiva de gerar novas formas de gestão para sistemas de bibliotecas. Optou-se pela escolha do método tipo survey, que avalia uma amostra significativa de um problema a ser investigado a fim de extrair conclusões acerca dessa amostra. A coleta de dados contou com a participação de vinte bibliotecários gestores da cidade de Manaus, que responderam um questionário com dez perguntas do tipo likert. Para a análise dos dados utilizou-se a média ponderada e uma escala com base na média de pontuação de aceitação dos respondentes.  Como resultado, percebe-se um alto nível de concordância do objeto pesquisado, proporcionando a abertura de discussão sobre novos caminhos estratégicos de gestão que levem ao aprimoramento de serviços e sistemas de unidades de informação como as bibliotecas.

 


Palavras-chave


Lean office; Gestão da informação; Biblioteca; Unidades de Informação

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Carlos Cândido; VARVAKIS, Gregório. Valor e Ciência da Informação: serviços de informação baseados na gestão de operações de serviço Inf. & Soc.: Est., João Pessoa, v. 15, n. 1, p. 49-74, jan./jun. 2005.

BARBALHO, Célia Regina Simonetti; BERAQUET, V. S. M. Planejamento estratégico para unidades de informação. São Paulo: Polis/APB, 1995.

CAMPOS, Maria Luiza de Almeida. As cinco leis da biblioteconomia e o exercício profissional. Disponível em: . Acesso em: 15 Jun. 2014.

CARVALHO, Lidiane. Informação e comunicação na administração das bibliotecas universitárias: entre as metáforas de Morgan e a visão de Luhmann. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS, 17., 2012, Porto Alegre. Anais eletrônicos... Porto Alegre: UFRGS, 2012. Disponível em:

. Acesso em: 23 nov. 2012.

COSTA R. S, JARDIM E. G. M. Os cinco passos do pensamento enxuto. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: . Acesso em: 8 mar. 2014.

DAVENPORT, T. H. Melhorando o desempenho da empresa. In: DAVENPORT, T. H. Dominando a gestão da informação. Porto Alegre: Bookman, 2004.

FIGUEIREDO, Nice Menezes de. A modernidade das cinco leis de Ranganathan. Revista Ciência da informação. Brasília, v.21, n.3, p.186-191, set./dez. 1992.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GOMES, H. E; MOTTA, D. F.; CAMPOS, M. L.A. Revisitando Ranganathan: a classificação na Rede. 2006. Disponível em: Acesso em: 20 ago. 2013.

GOPINATH, M. A. Ranganathan´s perspectives and achievements. Library Science in India, v. 19, n.3.Editorial.

LANCASTER, F. W. Avaliação de serviços de bibliotecas. Brasília: Briquet de Lemos /Livros, 2005.

LEAL, Janaina. Reengenharia em bibliotecas. Revista Digital de Biblioteconomia & Ciência da Informação, Campinas, v. 8, n. 1, p. 12-20, jul./dez. 2010. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2012.

MARTINS, Roberto Antonio. Abordagens quantitativa e qualitativa. In: MIGUEL, Paulo Augusto Cauchick (org.). Metodologia de pesquisa em engenharia de produção e gestão de operações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

McMANUS, H. Product development value stream analysis and mapping manual (PDVMS): Alpha Draft: Lean Aerospace Initiative. Cambridge: Massachusetts Institute of Technology, 2003.

MIGUEL, Paulo Augusto Cauchick; HO, Linda He. Levantamento tipo Survey. In: MIGUEL, Paulo Augusto Cauchick (org.). Metodologia de pesquisa em engenharia de produção e gestão de operações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

OHNO, T.O. O sistema Toyota de produção: além da produção em larga escala. Porto Alegre: Bookman, 1997.

PORTER, M. E. Competição: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

RANGANATHAN, S. R., As cinco leis da biblioteconomia. Brasília, DF: Briquet de Lemos, 2009.

ROTHER, M.; SHOOK, J. Aprendendo a Enxergar. Lean Institute Brasil, 1999.

SAMPIERE, Roberto Hernández; COLLADO, Carlos Fernández; LUCIO, Pillar Baptista. Metodologia de Pesquisa. 3. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2006.

SEGATTO-MENDES, Andrea Paula. Teoria da agência aplicada a análise de relações entre os participantes dos processos de cooperação universidade-empresa. 2001. 260 f. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade de São Paulo. São Paulo, 2001.

SERAPHIM, E. C.; SILVA, I. B.; AGOSTINHO, O. L. Lean Office em organizações militares de saúde: estudo de caso do Posto Médico da Guarnição Militar de Campinas. Revista Gestão e Produção, Vol. 17, n. 2, p. 389-405, 2010. Disponível em: <://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_pdf&pid=S0104-530X2010000200013&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 30 jun. 2012.

SHINGO, S. O sistema Toyota de produção do ponto de vista da Engenharia de Produção. Porto Alegre: Bookman, 1996.

SILVA, Karol Almeida da; SILVA, Luciana Candida da. Competências essenciais demandadas aos bibliotecários-gestores que atuam em bibliotecas universitárias: um estudo dos profissionais de Goiânia – GO. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS, 17., 2012, Porto Alegre. Anais eletrônicos... Porto Alegre: UFRGS, 2012. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2012.

TURATI, R. C. Aplicação do Lean Office no setor administrativo público. 2007. 122 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo. São Carlos, 2007.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 13. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

WOMACK, J. P.; JONES, D. T.; ROOS, D. A máquina que mudou o mundo. Rio de Janeiro: Campus, 2001.




DOI: https://doi.org/10.28950/1981-223x_revistafocoadm/2016.v9i1.228

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais

e-ISSN: 1981-223x 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.