O ANTIESCRAVISMO DA ILUSTRAÇÃO EM ADAM SMITH E JOSÉ DA SILVA LISBOA

Rafaela Domingos Lago

Resumo


Até meados do século XVIII escravidão e servidão faziam parte da natureza das sociedades no Ocidente. Na segunda metade do Setecentos, contudo, iniciou-se a condenação da escravidão pelos escritores da Ilustração principalmente na Inglaterra e França. Tal ideário foi trazido para o Brasil nas primeiras décadas do Oitocentos por estudantes brasileiros que frequentaram universidades europeias. Este artigo pretende examinar como as ideias antiescravistas de Adam Smith foram assimiladas nos escritos de José da Silva Lisboa, o Visconde de Cairu, no início do Oitocentos.


Palavras-chave


Adam Smith; José da Silva Lisboa; Antiescravismo; Século XIX

Texto completo:

PDF

Referências


Fontes primárias:

LISBOA, José da Silva (Visconde de Cayru). Princípios de Economia Política. Rio de Janeiro, Editora Pongetti, 1956.

______. Observações sobre a franqueza da indústria, e estabelecimento de fábricas no Brazil, Brasília: Senado Federal, 1999. (Coleção Biblioteca Básica Brasileira).

SMITH, Adam. A riqueza das nações: Investigação sobre sua natureza e suas causas. Editora Nova Cultura. São Paulo, vol. 1, 1996.

Bibliografias de consulta:

CARVALHO, José Murilo de. História intelectual no Brasil: a retórica como chave de leitura. Topoi, Rio de Janeiro, nº 1, pp. 123-152.

DIAS, Maria Odila Silva. Aspectos da Ilustração no Brasil. In Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, nº 278, 1968, p.105-170.

EHRARD, Jean. “L’esclavage devant la conscience morale des lumières françaises: indifférence, géne, révolte”. In Les Abolitions de l’Esclavage. De Sonthonax à V. Schoelcher.Vi ncennes, Presses Universitaires de Vincennes/UNESCO, 1995.

FARIA Júnior, Carlos de. O pensamento econômico de José da Silva Lisboa, Visconde de Cairú. Tese de Doutorado: Programa de Pós-Graduação em História Econômica da USP. São Paulo, 2008.

FINLEY. Moses I. Escravidão Antiga e ideologia moderna. Rio de Janeiro: Graal, 1991.

FLORENTINO, Manolo Garcia; GÓES, José Roberto. A Paz das Senzalas: famílias escravas e tráfico atlântico, Rio de Janeiro, c. 1790-c.1850. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997.

NOVAIS, Fernando Antonio; ARRUDA, José Jobson de Andrade. “Prometeus e Atlantes na forja da nação”. Economia e Sociedade, Campinas, v. 12, n. 2 (21), p. 225-243, jul./dez. 2003.

OLIVEIRA, Marina Garcia de. Entre nobres lusitanos e titulados brasileiros: práticas, políticas e significados dos títulos nobiliárquicos entre o Período Joanino e o alvorecer do Segundo Reinado. Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade de São Paulo. 2013.

RIOUX, Jean Pierre. A revolução Industrial (1780-1880). São Paulo. Pioneira, 1975.

ROCHA, Antonio Penalves. A Economia Política na Sociedade Escravista. São Paulo: Departamento de História – FFLCH – USP / HUCITEC, 1996.

______. Ideias antiescravistas da Ilustração na sociedade escravista brasileira. In Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 20, nº 39, 2000, p. 43-79.

SLENES, Robert. Na senzala uma flor: esperanças e recordações na formação da família escrava, século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.




DOI: https://doi.org/10.28950/1981-223x_revistafocoadm/2016.v9i1.161

##plugins.generic.alm.title##

##plugins.generic.alm.loading##

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais

e-ISSN: 1981-223x 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.